quarta-feira, julho 20, 2005

Inverno colorido (só colorido)


Esse é um período do inverno ainda pleno de belas cores em Santa Rita do Passa Quatro. Os pomares de laranja estão patrióticos, verdes e amarelos na medida, verde intenso, amarelo idem, aquelas cores carregadas, fortes. Combinam bem com patriotas chorosos – daqueles que batem no peito, juram inocência e se debulham em patéticas lágrimas - em tribunas diversas, às vezes açodados por jornalistas ansiosos e malvados. É um verde-cpi e um amarelo-cpi. Mas, com isso, já estraguei o que se pretendia um texto leve, agradável de ler e informativo. Como se pode ver, pretensão pouca é bobagem.

Aliás, esse é um país e um povo de extremos. Ou somos indigentes e nos colocamos no rodapé de classificações interessantes, como conhecimentos matemáticos entre escolares e diversos índices de qualidade de vida, ou nos colocamos no topo, de forma definitiva e consagradora. Como no futebol e no vôlei, onde somos a referência mundial. Ou na roubalheira e corrupção, onde a medalha de ouro me parece favas contadas. Ihhhh, pronto, já desviei de novo, que coisa mais chata essa. Se não posso controlar sequer o que escrevo, como posso pretender controlar meia dúzia de vacas e dois retireiros? Mas preservo intacta minha pretensão em escrever algo agradável de ser lido (do tamanho já desisti, vai sair com o tamanho que sair, abaixo a censura do bom gosto e do pouco esforço pra leitura).




O largo da matriz está muito bonito nesses dias. Os dois ipês-roxos estão carregados de flores, bem em frente à igreja, enorme, bonita, principalmente por dentro. Pegando um pouco da sombra de um dos ipês, o busto de Zequinha de Abreu. Sob ele, dizem que estão seus ossos ou o que deles restou. Já me disseram que, por conta disso, o largo é assombrado. Sei lá, se for para ouvir Tico-tico e Branca na interpretação do autor, acho que vou me arriscar ser assombrado qualquer noite dessas.

É só agora que a gente vê quantos ipês há por essa terra! E mais ainda veremos em agosto, quando os amarelos, muito mais abundantes que os roxos, começarem a florescer. As árvores parecem explosões de cor, como a gente vê nos filmes, aquela bola colorida e forte de uma explosão. Já dei tratos à bola procurando por adjetivos que traduzam o prazer de avistar um ipê florido em meio à paisagem. Passei por vários e não me fixei em nenhum. Que fique, então, sem adjetivos, não farão falta. Cada um pode imaginar à vontade o roxo ou o amarelo marcando a paisagem. Momentos que fazem a vida valer a pena.

O laranja vigoroso das flores do cipó-de-são-joão se espalha por barrancos, cercas e árvores. Consideramos como mato, como planta daninha. Na Europa, mais ainda na Inglaterra, seria uma planta preciosa, cultivada e cercada de mil cuidados. Cheia de simbolismos a começar pelo nome. Nessa época, é uma boa fonte de alimento para os beija-flores. Alguns pomares de laranja e limão têm uma florada precoce, muito prematura e sem futuro. Vai faltar água e sobrar frio para o desenvolvimento dos chumbinhos, como chamamos os pequeninos frutos que surgem a partir das flores. Enquanto há flores, porém, as abelhas se divertem e no pomar só se ouve o zumbido forte de seu vai e vem. Mel de flor-de-laranjeira tem um perfume delicioso, até um troglodita como eu consegue perceber a diferença. Todo ano eu espero ansioso pela florada das laranjeiras. Nem tanto pelo visual, que é discreto, nada como a beleza exuberante e até excessiva de um campo de girassol, como o do Sandro, logo depois da nossa divisa de baixo. Mas pelo perfume que a gente sente nas estradas, seja a 60 ou a 100 por hora, entrando pelo carro e trazendo muito prazer. Em casa são dias especiais. Dias de parar por momentos várias vezes, só para ficar parado e sentir o perfume que sobe do pomar.

O inverno em Santa Rita do Passa Quatro tem outras coisas bonitas e gostosas, e outra hora falo sobre elas. Por agora, fico só com o colorido desse inverno. Um colorido de um só ele. Um colorido pra afastar o pensamento das coisas da política.

Ou já seria pollítica uma vez mais?


.

3 comentários:

Anônimo disse...

Tá devendo um ipê. Na foto só aparece um. Muito bonito, por sinal.

Cora disse...

Lindo! Aliás, as fotos todas estão um deslumbramento só.

Emerson disse...

Obrigado, Cora.

Na verdade, devo a você a descoberta do "picasa" e ver suas fotos no InternETC foi decisivo para eu me animar e colocar as fotos aqui. Valeu! :o)