quarta-feira, abril 26, 2006

Sobre a China


A Soninha publicou 4 posts sobre a China em seu blog - http://blogdasoninha.folha.blog.uol.com.br/ - um dos que tento acompanhar regularmente.

Já escrevi sobre a China, particularmente sobre a postura subserviente, tola e equivocada do governo lulla da Silva diante dos enigmáticos olhinhos puxados dos camaradas chineses. Isso se revelou verdadeiro no affaire “soja contaminada”, nas negociações comerciais diversas e agora, mais recentemente, nas questões envolvendo a entrada no Brasil de calçados populares a preços impossíveis de serem praticados por nossa indústria. Nesse caso, o resultado mais imediato foi, até o momento, a perda de mais de vinte mil postos de trabalho nessa indústria.

Não me contive e escrevi alguns comentários a respeito, que transcrevo abaixo. Mas, dêem uma lida nos posts da Soninha. Além dela própria ser ótima pessoa, o blog é bem legal e ela escreve bem, mesmo que correndo doidamente para poder cumprir uma agenda maluca de vereadora e jornalista, além de mãe.


“Soninha, bom dia e parabéns. Sinceros parabéns por falar um pouco – não se preocupe, foi pouco ainda tudo isso que você escreveu, diante do problema brutal, quase imensurável, que é a China. Com relação a essa nação, três temas me são particularmente caros, por todo seu conteúdo de terror, destruição e riscos que extrapolam as fronteiras chinesas.

Não sou budista, mas desde que me conheço por gente com alguma leitura me identifico com a causa da liberdade tibetana. A ação chinesa sobre o Tibet é vergonhosa e criminosa. Só de pensar nos crimes que por lá são perpetrados diuturnamente, nossa, é até difícil expressar a gama de sentimentos que isso desperta.

A outra grave questão chinesa é sua inserção na economia mundial da forma como está se dando, predatória e baseada em trabalho semi-escravo, para dizer o mínimo. Os governos ocidentais, de maneira geral, tem baixado a cabeça (para não ser chulo e falar outra coisa) para o governo chinês e de forma vergonhosa. O atual governo brasileiro foi e é pródigo em gestos e ações desvinculadas da realidade e extremamente burras. Já tivemos prejuízos imensos quando os chineses, espertamente, nos botaram contra a parede no caso da soja. Por ser um tema que conheço um pouco, escrevi a respeito na época, textos que estão também no meu blog. Atualmente, já podemos contar na casa de vinte mil, e isso só por enquanto, os empregos tupiniquins perdidos nas industrias de calçados populares, graças às importações por custos ridículos e irreais, de calçados populares – como sandálias de dedos, por exemplo – importados da RPC. No caso dos calçados que usam couro, uma “boa” notícia na visão das sumidades governamentais: a RPC aumentou suas compras de couro bovino entre nós. Fantástico! Agora seremos, também, colônia chinesa.

E, finalmente, por último, mas não menos importante, a questão ambiental. Com a derrocada da União Soviética, descobrimos que preservar o ambiente era tão somente um desejo das burguesias ricas e endinheiradas do Ocidente capitalista. Esse quadro pouco mudou. As nações pobres, as populações pobres de todas as partes e os regimes tidos, havidos e ditos como socialistas, c*m e andam para o ambiente. Ou, como se diz em terras tupiniquins, meio ambiente. “Três Gargantas” é a face mais visível e espetacular de monstruosas agressões ambientais. Mas as usinas térmicas chinesas e toda sua indústria estão entre as mais devastadoras fontes de poluição do planeta hoje.

Ainda no caso da usina-represa-gigantes, vale notar que controle de inundações eficaz deve ser feito a partir do controle das águas em seus nascedouros, com a multiplicação de obras de pequeno porte, cada uma segurando uma pequena porção de água, impedindo que esta ganhe volume e força. Querer controlar as cheias do Yang Tsé com uma obra gigante é ameaçar a inteligência e remar contra a natureza. E o homem nunca teve sucesso, em parte alguma, sempre que se pôs contra a natureza.

Sobre a China há ainda a questão das liberdades civis. O assassinato de bebês do sexo feminino. A subserviência do Google, Microsoft, Yahoo e outros ícones da internet aos desejos, caprichos e censura do governo chinês. A comercialização de órgãos humanos que você discutiu num dos tópicos. A exploração selvagem, cruel, irracional de animais diversos. A constante ameaça sobre Taiwan. E por aí vai.

Enfim, esse tema é fascinante e dá horas, dias, semanas, meses de discussão, coisa que no Brasil não se faz, nem sobre o Brasil mesmo, que dizer sobre a China!”


.

Um comentário:

Chapeira disse...

Oi... eu sou a Chapeira, lembra de mim? Já fui tua amiga, tá lembrado?

Nada não... só passei pra saber se vc ainda existia e dizer que tenho saudade.

Beijuca
Da Chapa